in ,

Parapente e asa delta no Rio de Janeiro: a emoção de sobrevoar a Cidade Maravilhosa

Inspiração para artistas de várias épocas e estilos, os cenários do Rio de Janeiro exercem sobre seus visitantes um fascínio que vai além do que se pode explicar. A harmonia entre praias, construções urbanas, matas e imponentes monumentos faz da antiga capital do Brasil um destino procurado por milhões de visitantes todos os anos.

As formas de aproveitar a Cidade Maravilhosa são muitas. Passeios no calçadão, trilhas pela Mata Atlântica e mergulhos nas famosas águas do litoral fluminense são algumas das principais maneiras de aproveitar as belezas locais, e para aqueles que desejam contemplar as paisagens da cidade ao mesmo tempo em que se aventuram e desafiam os próprios limites, voar de parapente e asa delta é a opção perfeita.

Descubra a seguir por que cada vez mais pessoas têm se interessado em viver a emocionante experiência de sobrevoar o Rio de Janeiro e conferir de perto toda a exuberância da natureza carioca.

Pedra Bonita, Parque da Tijuca e São Conrado: lugares perfeitos

Praia de São Conrado – Rio de Janeiro – RJ

Cartão-postal e uma das montanhas mais altas do Rio de Janeiro, a Pedra Bonita está localizada a cerca de 520 metros de altura e faz parte do Parque da Floresta da Tijuca. Nela são realizados, todos os dias, mais de 150 voos de parapente e asa delta.

A partir da rampa de salto os aventureiros podem ter uma ideia das belezas que terão a oportunidade de admirar durante o voo: a vista privilegiada da praia de São Conrado — onde é realizado o pouso —, a Pedra da Gávea e a bela Floresta da Tijuca, uma das maiores áreas verdes urbanas do Brasil.

Esses e outros motivos tornam a experiência de sobrevoar o Rio de Janeiro de parapente ou asa delta ainda mais completa, pois a combinação entre a adrenalina e as paisagens de tirar o fôlego que a Cidade Maravilhosa oferece é, sem dúvidas, algo a ser guardado para sempre na memória.

Parapente ou asa delta: qual escolher?

Voo duplo de instrução em parapente. Fonte: Renato Janssens

Embora ofereçam igualmente a oportunidade de apreciar uma incrível vista panorâmica da cidade, parapente e asa delta possuem algumas importantes diferenças.

Enquanto os voos de asa delta podem chegar a velocidades de até 140 Km/h, o parapente atinge velocidades que variam entre 15 e 45 Km/h. A posição dos participantes também é diferente: na asa delta, o piloto se posiciona deitado e com o corpo projetado para baixo, ao passo que, no parapente, piloto e acompanhante ficam sentados durante a aventura.

Tais características, além de influenciarem na decolagem e no andamento do voo, interferem no pouso, que é mais fácil e exige condições menos específicas no parapente que na asa delta.

Outra diferença entre as duas modalidades é o limite de peso estabelecido para os praticantes de cada uma: o peso máximo estabelecido para a prática do parapente é de 125Kg, enquanto para a asa delta o limite é de 90Kg — números que podem variar de acordo com o vento no dia do salto.

Os voos devem sempre ser realizados com o acompanhamento de um piloto profissional e experiente, de forma a garantir uma aventura segura, tranquila e repleta de boas sensações. Afinal, o Rio de Janeiro continua lindo, não é mesmo? E ver de cima suas maravilhosas paisagens continua sendo — e sempre será — uma experiência encantadora.

Gostou da ideia? Aproveite e descubra 5 cidades no estado do Rio de Janeiro que você precisa conhecer! Até a próxima!

Escrito por Marco Dantas

Graduado em Administração de Empresas na UNA-BH em 2012, e atualmente fazendo a segunda graduação em Ciências Econômicas na UFMG. Possui experiência em empresas de portes e ramos variados, tendo atuado nos setores comercial, administrativo e financeiro. Nos últimos três anos está atuando como redator e revisor criativo no Experiências Brasil.

110 Pings & Trackbacks

  1. Pingback:

  2. Pingback:

  3. Pingback:

  4. Pingback:

  5. Pingback:

  6. Pingback:

  7. Pingback:

  8. Pingback:

  9. Pingback:

  10. Pingback:

  11. Pingback:

  12. Pingback:

  13. Pingback:

  14. Pingback:

  15. Pingback:

  16. Pingback:

  17. Pingback:

  18. Pingback:

  19. Pingback:

  20. Pingback:

  21. Pingback:

  22. Pingback:

  23. Pingback:

  24. Pingback:

  25. Pingback:

  26. Pingback:

  27. Pingback:

  28. Pingback:

  29. Pingback:

  30. Pingback:

  31. Pingback:

  32. Pingback:

  33. Pingback:

  34. Pingback:

  35. Pingback:

  36. Pingback:

  37. Pingback:

  38. Pingback:

  39. Pingback:

  40. Pingback:

  41. Pingback:

  42. Pingback:

  43. Pingback:

  44. Pingback:

  45. Pingback:

  46. Pingback:

  47. Pingback:

  48. Pingback:

  49. Pingback:

  50. Pingback:

  51. Pingback:

  52. Pingback:

  53. Pingback:

  54. Pingback:

  55. Pingback:

  56. Pingback:

  57. Pingback:

  58. Pingback:

  59. Pingback:

  60. Pingback:

  61. Pingback:

  62. Pingback:

  63. Pingback:

  64. Pingback:

  65. Pingback:

  66. Pingback:

  67. Pingback:

  68. Pingback:

  69. Pingback:

  70. Pingback:

  71. Pingback:

  72. Pingback:

  73. Pingback:

  74. Pingback:

  75. Pingback:

  76. Pingback:

  77. Pingback:

  78. Pingback:

  79. Pingback:

  80. Pingback:

  81. Pingback:

  82. Pingback:

  83. Pingback:

  84. Pingback:

  85. Pingback:

  86. Pingback:

  87. Pingback:

  88. Pingback:

  89. Pingback:

  90. Pingback:

  91. Pingback:

  92. Pingback:

  93. Pingback:

  94. Pingback:

  95. Pingback:

  96. Pingback:

  97. Pingback:

  98. Pingback:

  99. Pingback:

  100. Pingback:

  101. Pingback:

  102. Pingback:

  103. Pingback:

  104. Pingback:

  105. Pingback:

  106. Pingback:

  107. Pingback:

  108. Pingback:

  109. Pingback:

  110. Pingback:

Bonito: um paraíso inesquecível no coração do Mato Grosso do Sul

6 destinos no Rio Grande do Norte para viver experiências inesquecíveis