Culinária do Centro-Oeste: veja os segredos do tempero indígena

Posted on

Os índios deram o tom e o sabor de muitos pratos na culinária do Centro-Oeste do Brasil, que é considerado o coração do país. Ingredientes ganharam nomes indígenas, como pacu, que representa “o comer desperto”, e o pequi, que significa “pele com espinho”. Para conhecer mais a fundo a culinária do Centro-Oeste, leia este artigo até o final.

Nesse sentido, estima-se que haja 50 povos indígenas na região Centro-Oeste, como os xavantes, os caiapó, os bororo e os suiá. Eles estão espalhados pelos estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e o Distrito Federal.

Aliás, os indígenas trouxeram a arte da pesca. Mas, a fama dos pescados seria menor não fosse a abundância de rios de planície que enfeitam a região Centro-Oeste, favorecendo a pesca.

Agora que você já sabe a marca da gastronomia da região presente na culinária do Centro-Oeste, conheça suas influências.

Principais influências gastronômicas

Os indígenas chegaram ao que hoje é o Brasil entre 20 mil e 40 mil anos atrás. Naquela época, as tribos viviam basicamente da pesca. Por isso, encontraram fartura nas espécies de água doce do Centro-Oeste brasileiro, influenciando toda a culinária do Centro-Oeste.

Assim, os temperos naturais do Cerrado, como o pequi, ganharam mais sabor nos pratos indígenas. As raízes, como a mandioca, fortaleciam os líderes das tribos na busca pela sobrevivência.

Além dos índios, os bandeirantes que percorriam o interior da região Centro-Oeste, a partir do século 17, levaram na bagagem as influências de outros povos.

Entre as influências da culinária do Centro-Oeste estavam os costumes culinários dos povos que habitavam a fronteira com a Bolívia e o Paraguai.

Entretanto, como o Brasil é uma miscelânea, muitos pratos consumidos na culinária do região Centro-Oeste representam outras culturas, como da Europa e de outras regiões brasileiras.

Veja agora os pratos mais representativos da culinária do Centro-Oeste.

Caldo de Pacu

imagem de caldo de pacu na panela

Amantes da pescaria já devem conhecer o pacu. O peixe pesa de 8 a 25 quilos e é encontrado no Pantanal mato-grossense e nos rios amazônicos.

O Caldo de Pacu é típico de Cuiabá, capital de Mato Grosso. A iguaria é preparada com a cabeça do pacu.

No passado, o peixe era tão comum no estado que bastava ir a um rio para encontrar um exemplar algumas horas antes da refeição.

A facilidade da pesca ditava a lenda: quem consumisse o pacu não saía mais do estado.

Aprenda agora, passo a passo, a como fazer a iguaria.

INGREDIENTES

  • 2 cabeças de pacu
  • 2 cebolas
  • 2 tomates
  • Meio pimentão vermelho
  • Coentro
  • Cebolinha
  • Meia xícara de molho de tomate
  • Azeite de oliva
  • Farinha de mandioca
  • Pimenta do reino
  • Sal a gosto

INSTRUÇÕES

  • Pique as cebolas, os tomates e o pimentão. Coloque ¼ de xícara de azeite de oliva numa panela grande e refogue os temperos. Junte o molho de tomate
  • Acrescente as cabeças de pacu, mexa bem e cubra com água. Junte os demais ingredientes e deixe cozinhando por cerca de 30 minutos
  • Coe o caldo e reserve. Misture com um pouco de farinha de mandioca até engrossar. Se quiser, sirva com a cabeça.

Frango com Pequi

imagem mostra destaque de prato com frango com pequi

O pequi foi descoberto nas andanças dos índios nômades e nas viagens dos bandeirantes pelas matas de Cerrado do interior do Brasil.

O gosto marcante, tanto para pratos salgados quanto doces, agradou muitos paladares.

Porém, uma dica antes de preparar o pequi é ter muito cuidado com o espinho que protege o caroço, afinal, não é nada bom ferir a boca ou as mãos com o fruto.

Um dos modos mais tradicionais de consumo do pequi na culinária do Centro-Oeste é o Frango com Pequi. Acompanhe como fazer.

INGREDIENTES

  • 2 kg de frango cortado
  • Pimenta do reino
  • Sal a gosto
  • Cheiro verde picado
  • 2 colheres de óleo
  • 1 cebola picada
  • 2 dentes de alho amassados
  • 1 colher de cúrcuma
  • 1 litro de água
  • 12 pequis em conserva

INSTRUÇÕES

  • Num recipiente à parte, tempere o frango com sal e pimenta
  • Pegue uma panela grande, aqueça um fio de óleo e doure os pedaços de frango
  • Acrescente a cebola, o alho, a cúrcuma. Refogue os ingredientes por cerca de cinco minutos
  • Coloque um litro de água e deixe cozinhar por 30 minutos
  • Acrescente o pequi em conserva e cozinhe até toda a água secar
  • Coloque numa bandeja e sirva com cheiro verde picado.

Chambaril

imagem de chambaril no prato

A carne bovina está presente na culinária da região Centro-Oeste, que é uma das maiores produtoras de rebanho bovino do país. Por isso, o Chambaril faz sucesso nos restaurantes da região.

O corte é a perna do boi, serrada na horizontal, com o tutano no centro. O corte deu origem ao antigo nome do prato, que era chamado de ossobuco. Em italiano, o nome quer dizer “osso furado”.

Justamente por isso, acredita-se que o Chambaril veio da Europa para o Brasil através dos usineiros do início do século 19 que se fixaram no Nordeste e no Centro-Oeste.

Para provar a delícia, acompanhe passo a passo a receita.

INGREDIENTES

  • 2 kg de chambaril
  • 1 xícara de conhaque
  • 1 lata de molho de tomate
  • 2 folhas de louro
  • 1 cebola picada
  • Sal e pimenta a gosto

INSTRUÇÕES

  • Pegue um saco usado na culinária e coloque a carne, o conhaque, o sal e a pimenta
  • Guarde a mistura fechada na geladeira na véspera do preparo
  • No dia seguinte, coloque toda a mistura do saco numa panela de pressão, juntamente com a cebola, o molho de tomate e o louro
  • Tampe e cozinhe por cerca de 40 minutos após dar pressão
  • Desligue o fogo e verifique se a carne está no ponto, ou seja, soltando do osso
  • Sirva num recipiente com coentro ou salsinha picada.

Empadão Goiano

imagem destaca empadão goiano

Muito mais que uma empada, o Empadão Goiano é um prato típico em todo o estado de Goiás. Ele é feito em casa e servido em datas especiais, como aniversários e confraternizações.

Tipicamente, o empadão é recheado com peito de frango. No entanto, ele pode levar outras sobras de carne e até recheios doces, dependendo da criatividade do quituteiro.

Veja a seguir a receita de um típico Empadão Goiano.

INGREDIENTES

Massa

  • 1 kg de farinha de trigo
  • 1 copo de óleo
  • 1 copo de leite
  • 1 copo de água
  • 250 g de margarina
  • 1 colher de sal
  • 1 colher de açúcar
  • 1 colher de fermento em pó

Recheio (por empadão)

  • 1 porção de molho de frango
  • 1 fatia de muçarela desfiada
  • 1 pedaço de filé de frango cozido
  • 1 fatia de frango sassami cozido
  • 8 rodelas de linguiça
  • 4 pedaços de lombo de porco
  • Azeitonas sem caroço
  • Palmito a gosto

INSTRUÇÕES

  • Misture todos os ingredientes secos da massa
  • Pegue uma panela e derreta a margarina
  • Desligue o fogo. Coloque óleo, água e o leite
  • Acrescente os ingredientes secos. Mexa delicadamente. A massa rende cerca de 10 empadões
  • Molde a massa em formas próprias
  • Recheie cada empadão com os ingredientes do recheio
  • Feche o empadão com uma camada de massa fina
  • Leve ao forno médio e espere dourar. Sirva.  

Onde comer

Depois de conhecer melhor os pratos regionais do Centro-Oeste brasileiro, nada melhor que saber os restaurantes mais requisitados das capitais. Confira.

Chão Nativo

O restaurante Chão Nativo fica em Goiânia, Goiás, na região hoteleira da capital.

O local encanta pela decoração e o ambiente que lembra as fazendas do coração do Brasil.

O cardápio tem o famoso Empadão Goiano, além de outras iguarias regionais, como pamonha frita, leitoa à pururuca, carne de lata e torresmo.

Okada

Ao visitar Cuiabá, no Mato Grosso, uma boa dica é o Restaurante e Peixaria Okada.

A casa serve caldos de peixes típicos do Pantanal. Outra especialidade é o filé de jacaré e o pintado no palito.

Os visitantes também podem apreciar a farofa de banana da terra e os peixes assados, com os espinhos cuidadosamente retirados.

Casa do Peixe

O pacu, peixe típico da região, é parte principal do cardápio do Restaurante Casa do Peixe.

Localizado em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, o ponto é conhecido por ter um variado rodízio de peixes, desde os assados, fritos e até os crus.

O restaurante tem 30 anos de existência e fica na Praça das Araras, cartão-postal da capital.

Kiosky da Rosa

Em Brasília, a gastronomia é bastante diversificada, pois absorve as culturas de todos os estados que lá estiveram desde a sua fundação.

Mas, como o gosto pela carne é nacional, uma das melhores pedidas pra quem vai a Brasília é o Kiosky da Rosa. Ele é um bar ao ar livre, localizado no Cruzeiro Novo.

O local é reconhecido pela chuleta, espetinho e a cerveja bem gelada. O restaurante é indicado para o jantar com a família e o happy hour com os amigos.

Esses e muitos outros pratos formam a cultura gastronômica da região Centro-Oeste do Brasil.

Com forte influência indígena e uma natureza abundante por meio de importantes rios, como o Araguaia e o Xingu, a culinária regional se sobressaiu com receitas nascidas dos ribeirinhos e dos aglomerados urbanos.

Você já provou alguns desses pratos em suas idas aos estados do Centro-Oeste? Se ainda não experimentou, que tal arregaçar as mangas e ir para a cozinha? Afinal, os ingredientes são facilmente encontrados nas quitandas e mercadões de vários estados brasileiros.

Experimente e compartilhe conosco sua experiência, deixando nos comentários.

Gizele Silva
Formada em jornalismo pela Universidade Estadual de Ponta Grossa, no Paraná, e especialista em Mídia, Política e Atores Sociais. É produtora de conteúdo para web e redes sociais na área de turismo e empreendedorismo – https://linkedin.com/in/maria-gizele-da-silva-39935a110/.